Remédios: Psoríase: quais os sintomas mais comuns desta doença de pele? (Parte 2)

Posted on

Doação de sangue ainda é um tema que gera muitos questionamentos na população e é um dos assuntos mais comentados pelos seguidores das redes sociais do Ministério da Saúde.

Muitas pessoas vão doar sangue para saber se pegaram alguma doença durante as festas. Se esse sangue cair em uma janela imunológica pode contaminar quem o recebe, pois o sangue contaminado pode ser transfundido em até outras quatro pessoas. Doenças – Quem teve ou tem câncer, inclusive leucemia, não pode doar sangue. Medicamentos – Pessoas que tomam remédios para pressão, que agem no sistema nervoso central, ou toma remédio para acne, psoríase, próstata e calvície não podem doar sangue. O sistema imune desempenha um papel-chave na psoríase ao fabricar células brancas do sangue para proteger o corpo contra a infecção. Na psoríase, as células T (um tipo de células brancas do sangue) desencadeiam anormalmente a inflamação da pele. Exame físico minucioso, com evidência de lesões típicas no couro cabeludo e unhas, fortalece o diagnóstico de Psoríase. A psoríase é uma doença da pele relativamente freqüente, que afeta de 1 a 3 % da população geral e atinge indistintamente homens e mulheres, sendo mais freqüente na raça branca. Pelo simples exame clínico, observando a pele, as unhas e o couro cabeludo do paciente, o dermatologista consegue concluir o diagnóstico.

A Psoríase é uma doença não-contagiosa que se apresenta com lesões inflamatórias na pele cobertas por escamas esbranquiçadas formadas por uma produção celular de pele excessiva.

  • consumo de álcool
  • algumas medicações
  • tempo muito frio
  • situações estressantes
  • emocional ou psicológico abalado

Até agora, os dermatologistas têm, portanto, teve de basear a sua decisão sobre qual o tratamento deve ser selecionado em sua própria experiência e um exame de amostras de tecido.

  • A psoríase é uma doença de pele não contagiosa inflamatória, e também pode ser uma doença sistêmica que afeta outros órgãos. Independente do tipo do exame, da qualidade do teste ou da confiabilidade do local onde foi feito, existem alguns fatores que podem levar a resultados falso positivos em qualquer teste. O tratamento da psoríase serve para a controlar os sintomas da doença, reduzindo as chances das lesões aparecerem, uma vez que esta, por enquanto, ainda não tem cura. Pacientes passando pelo tratamento sistêmico fazem regularmente testes de sangue e da função hepática por causa da toxidade da medicação. CYS - O diagnóstico da psoríase é feito pelo exame clínico e se necessário, confirmado através da biópsia da lesão. Qualquer pessoa pode desenvolver a doença, todavia, alguns fatores parecem aumentar este risco, nomeadamente: De acordo com a localização e características das lesões, existem vários tipos de psoríase. O diagnóstico geralmente começa com uma revisão da história médica do paciente e do exame da pele do paciente, articulações e unhas. Exame de sangue Enquanto não há testes laboratoriais específicos para diagnosticar a artrite psoriática, exames de sangue de alguns pacientes pode revelar anemia leve e velocidade de hemossedimentação elevada.

    Como se livrar da psoríase? Tratamento de psoríase natural

  • Nos casos mais graves o uso de drogas que retardam a divisão celular.
  • Outro tratamento envolve uma combinação de drogas que minimizam a exposição à luz ultravioleta.

O exame de sangue para o marcador genético HLA-B27, mencionado acima, é frequentemente realizada.

A psoríase é uma doença crônica da pele caracterizada habitualmente por placas que descamam espalhadas pelo corpo e também pode acometer as unhas. Contudo, não só no tratamento da psoríase acaba o potencial deste exame, que pode ser alargado a outras condições inflamatórias cutâneas. Para concluir por sua existência um profissional de saúde pode verificar as partes afetadas ou então realizar um exame de amostra de pele. Existem cinco tipos de psoríase, sendo a forma mais comum aquela em surgem placas elevadas e avermelhadas cobertas de uma área esbranquiçada e que correspondem a células da pele mortas. O exame chamado FAN, sigla para fator antinuclear, é um teste habitualmente solicitado para os pacientes que estão com suspeita de uma doença de origem autoimune. O exame de FAN é feito com amostras de sangue do paciente com suspeita de doença autoimune. Existe um “marcador genético”, que é detectado no exame de sangue, chamado HLA-B27. A pesquisa do HLA-B27 no sangue nem sempre é acessível e barata, mas pode ajudar em alguns casos suspeitos. A psoríase em placas é a forma mais comum da doença e manifesta-se pelo aparecimento de lesões eritematosas avermelhadas cobertas por escamas esbranquiçadas e prateadas de células mortas.

Se tem ou julga sofrer de psoríase, contacte a Clínica Derme pelo email [email protected], ou pelo telefone 213 714 1167 e não adie mais o tratamento da psoríase.

  • Pneumonia pneumocócica;
  • Linfogranuloma venéreo;
  • Endocardite infecciosa;
  • Hanseníase;
  • Tuberculose;
  • Tripanossomíase;
  • Leptospirose;
  • Varicela;
  • HIV;
  • Caxumba;
  • Mononucleose;
  • Hepatite viral;
  • Infecção por Mycoplasma;
  • Gravidez;
  • Após vacinações;
  • Uso concomitante de alguns medicamentos;
  • Idosos.

A forma mais frequente de apresentação é a psoríase em placas, caracterizada pelo surgimento de lesões avermelhadas e descamativas (foto) na pele, bem limitadas e de evolução crônica.

Em casos mais graves ou formas não usuais pode-se lançar mão de biópsia de pele (exame de pele com diagnóstico característico ou indicativo). O exame histopatológico pode ajudar nesta diferenciação e, consequentemente, na indicação do tratamento correto. Outra razão é que o exame pode ajudar ao seu dermatologista a saber como está, por debaixo da pele, a doença que ele já diagnosticou na superfície. O diagnóstico assenta essencialmente na observação clínica das lesões e sua distribuição pela superfície cutânea, podendo recorrer-se, em determinados casos, ao exame histopatológico após biópsia cutânea. Para confirmar o diagnóstico de psoríase ungueal é necessário por vezes excluir a onicomicose por exame micológico. O diagnóstico da psoríase é eminentemente clínico e um exame dermatológico detalhado geralmente é o suficiente para estabelecer o diagnóstico. Não existe exame laboratorial específico para o diagnóstico de psoríase. Exame de Sangue: Pode servir para checar os anticorpos IgG, IgA, IgM e anticorpos específicos para cândida. Esse exame pode ainda ter resultado negativo mesmo quando o resultado do exame de fezes e urina é positivo.

Pode causar efeitos colaterais no fígado e no sangue, além de ser teratogênica (potencial de causar mal formações no feto se uma mulher grávida ingerir este medicamento);

Fonte: www.psoportugal.com Psoríase é uma doença não-contagiosa de pele que mais comumente se apresenta como lesões inflamatórias na pele cobertas por escamas esbranquiçadas. Contudo, para confirmar o diagnóstico, o médico pode realizar uma biópsia de pele (coleta de uma amostra de pele para exame microscópico). Através do exame clínico, observando a pele, as unhas e o couro cabeludo do paciente o dermatologista consegue concluir o diagnóstico. A psoríase ungueal, por exemplo, pode ser confundida com micoses (onicomicoses), mas o exame micológico direto e a cultura para fungos podem encaminhar para um diagnóstico correto. O diagnóstico da psoríase é feito a partir do exame clínico de um dermatologista, que avalia o tipo de dano causado à pele, além de outros sintomas. Durante o exame médico são identificadas e examinadas as lesões na pele (psoríase) e articulações. E considerando que o meu pai tinha psoríase, o exame deveria ser feito com urgência (por ser a psoríase uma doença que pode ser hereditária). Entre o terceiro e o quinto dia de vida do bebê, é coletado o sangue do pé da criança, por isso o nome do exame. A pele de uma pessoa também pode tornar-se resistente a diversos tratamentos ao longo do tempo, e os tratamentos de psoríase mais potentes podem ter efeitos secundários graves ou desagradáveis. A dosagem de PCR pode estar elevada no sangue por qualquer situação de inflamação sistêmica.